PESQUISE NA WEB

Mostrando postagens com marcador Kishu. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Kishu. Mostrar todas as postagens

quarta-feira, 11 de novembro de 2015

Kishu - 05






Kishu - 04





Kishu - 03





Kishu - 02





Kishu - 01





O kishu é um cão de porte médio oriundo do distrito montanhoso de Kishu, no Japão. Promulgada como raça e patrimônio natural em 1934, eram cães utilizados principalmente na caça a javalis e cervos. Na origem, a pelagem destes animais era marcada por cores como ruivo, sésamo e tigrado. Todavia, de 1934 em diante, apenas cores uniformes passaram a ser aceitas como padrão. Dez anos mais tarde, as variações desapareceram, e hoje somente o branco é encontrado.

O Kishu tem 17-22 polegadas (43-55 cm) de altura, médias 30-60 libras e é considerado um cão de tamanho médio.  A cor do nariz é principalmente preto, mas com o avental branco do nariz pode ser marrom ou na cor rosa. A mordida é em tesoura ou em uma mordida nível. A cauda tem forma de uma foice ou enrolada sobre o dorso como a de um Akita Inu ou Shiba. A pelagem é curta, em linha reta, e grossa. Há franja no rosto e cauda. As orelhas inclinão-se para a frente e são proporcionalmente pequenas.

Esta raça é resistente, ágil e amigável, um cão para a família. Eles são corajosos e bravos como caçadores, e sempre leal a seus donos. Eles têm um forte instinto de caçadores, e caçam pequenos animais. Eles se dão bem com outros cães, se socializados bem ainda filhotes, no entanto, devido a seus instintos podem causar algumas lutas pelo domínio do território. Eles são teimosos e obstinados, tornando a formação necessária, mas eles são dedicados e leais a família, se dão muito bem com as crianças, pricipalmente aquelas que crescem com eles. O Kishu gosta de manter um olho sobre o que está acontecendo, e, por vezes, encontrar um lugar alto a olhar para fora.

Eles podem ficar à distância ou tímidos frente ao desconhecido. Facilmente domesticados e inteligentes. Problemas de saúde com o Kishu são ocasionais e o hipotireoidismo não é incomum entre as raças japonesas, e afeta um em cada dez cães. No entanto não há risco de vida e seu tratamento é simples. Podem apresentar problemas com alimentação e alergias ambientais. O outro problema conhecido é entrópio, um defeito genético que afeta o olho no qual a pálpebra vira para dentro e os cílios arranham o globo ocular. Este está ligado, em parte, pela forma triangular do olho no Kishu. Isto requer cirurgia para evitar a perda de visão e dor contínua para o cão.

O Kishu deve ser escovado semanalmente para manter seu pelo desembaraçado e limpo. Banhá-los, se necessário, dependendo do quanto estiverem sujos. Suas orelhas devem ser verificadas rotineiramente para conter a formação de cera e evitar infecções. As unhas devem também ser aparadas regularmente. O Kishu precisa de espaço adequado para transitar e fazer exercícios, ou seja, uma casa com um quintal ou ambiente urbano com uma cerca.