PESQUISE NA WEB

Mostrando postagens com marcador Braco Húngaro. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Braco Húngaro. Mostrar todas as postagens

sábado, 30 de abril de 2011

Braco Húngaro (Viszla) - 02





Braco Húngaro (Viszla) - 01









Apesar de ser uma raça bastante antiga, sendo considerada parte integrante da história do povo húngaro, o Vizsla só começou a ganhar popularidade no ocidente e Estados Unidos nos anos sessenta, ganhando rapidamente uma excelente reputação como cão de mostra.

Segundo historiadores, os magiares, povo nômade composto basicamente de caçadores e cavaleiros, instalaram-se na região da Hungria em 836 e possuíam cães sabujos e galgos que seriam os ancestrais mais prováveis do atual Braco Húngaro ou Viszla como é conhecido. A pelagem amarelada seria uma herança de outro cão de caça que teria acompanhado os otomanos em 1562 e o Sloughi, galgo árabe utilizado pela aristocracia Magiar como cão de aves e que teria contribuído para a velocidade do Viszla. O termo Viszla só começou a ser empregado para designar os cães da raça a partir do século XVII.

Com a crescente influência germânica na cultura do povo húngaro, o Viszla também foi afetado, sendo que acredita-se que o Braco alemão tenha sido introduzido na raça, agregando as qualidades de polivalência ao já versátil Braco Húngaro. Ainda segundo os historiadores, no final do século XIX, o VIszla, assim como todos os demais cães continentais, receberam contribuições do sangue do Pointer Inglês, que conferiu mais rapidez ao Braco Húngaro mas não interferiu no sistema de farejamento e recuperação da caça já exercida pelo Viszla, que se assemelha mais aos bracos.

Ainda nos anos 30, surgiu, através da infusão do sangue do Braco Alemão de Pelo Duro, o Viszla de Pelo Duro, desenvolvido para atuar em condições mais difíceis em terrenos mais árduos e mais adaptado para busca de caça na água.

Com a segunda guerra mundial, a raça sofreu bastante e o plantel só começou a se reconstiuir nos anos 50, o que explica, em parte, sua chegada tardia aos Estados Unidos. No Brasil, a raça está presente, apesar de contar com um número reduzido de criadores e entusiastas.

O Viszla possui um comportamento estável e brincalhão, sendo um cão ativo e que necessidade de espaço para exercitar-se com regularidade. Na caça desempenha um aponte seguro e é também um excelente recuperador, característica que o faz um cão completo. Apesar do tamanho - é o menor dos bracos - é um cão bastante rápido na batida do terreno e a busca é feita utilizando-se o faro extremamente sensível que herdou de seus ancestrais.

Sua constiuição física e grande resistência, faz com que possam acompanhar seus donos em caminhadas e corridas assim como atuar com desenvoltura em provas de agility.

Sua pelagem curta é densa e grossa, protegendo-o das intempéries do tempo, mas não se trata de um cão que deva dormir ao relento sem abrigo

O Viszla é um cão bastante rústico com poucos problemas de saúde. Algumas linhagens apresentam maior predisposição para apresentar displasia coxo-femural. Por isso é importante adquiri cães cujos criadores realizam o controle de displasia do plantel. Podem apresentar ainda atrofia ou displasia da retina, uma degeneração das células da retina.
Fonte: http://www.caesefilhotes.com.br/cachorro-filhote-braco-hungaro-viszla