PESQUISE NA WEB

quarta-feira, 6 de dezembro de 2017

Cachorrinha grávida ganha ensaio fotográfico na Austrália





Um ensaio de uma cachorrinha grávida da raça dachshund está conquistando a internet. Cindi, de 3 anos, foi clicada pela sua dona, a fotógrafa profissional australiana Vicki Miller, que costuma fazer ensaios para grávidas humanas. Vicki, que mora em North Queensland, já prometeu que vai fazer um ensaio dos filhotinhos da Cindi quando eles nascerem.

Cães têm seu próprio hotel de luxo na Índia





No Critterati, o primeiro hotel de luxo para cães do sul da Ásia, os peludos são tratados como reis: camas fofas, spa, veterinário 24h e cerveja sem álcool importada. Em Gurgaon, cidade satélite de Nova Déli, são bernardos, labradores e lhasa apsos desfrutam de delícias que fariam sonhar os 30 milhões de cães de rua na Índia. Aqui, os proprietários dos animais são chamados de "pais". O cliente de quatro patas tem acesso a um bar, piscina, sessões de cabeleireiro e massagens ayurvédicas. Com suítes que custam até US$ 70 por noite, este hotel para cães é um canil de alto padrão, com um conforto muito superior ao encontrado em qualquer outro lugar. A maior suíte oferece uma cama gigante com uma cabeceira coberta de veludo, uma TV e uma escotilha com acesso a uma varanda privada. No bar, além de pratos tradicionais como frango com arroz, os caninos podem escolher entre muffins, panquecas e sorvete. O sabor bacon é muito popular. Segurando seu labrador em seus braços, Ashish Arora, funcionária de uma rede hoteleira, diz que não poupa quando o assunto é o seu amado Rubo – que tem uma queda por água de coco e frango. No Critterati, fora de questão deixar o cliente ocioso por um segundo. A equipe do hotel se encarrega de todos os detalhes. "O dia começa às 7 da manhã com um passeio para o xixi, depois café da manhã, depois novo passeio para o xixi, depois sessões de brincadeiras por cerca de duas horas, seguidas por um pouco de natação, depois novas brincadeiras, pausa para comer", descreve Deepk Chawla. Os amigos do dono do hotel advertiram que os animais poderiam destruir as camas luxuosas. Finlandesa, Katriina Bahri gerencia há cinco anos uma padaria na Índia com o marido. Sentada no bar, estuda o menu com Billoo, seu Ihasa Apso. O Critterati faz parte da crescente mania da classe média indiana pelos animais de estimação. Dos dois milhões de cães domésticos no país em 2002, estima-se que são agora 15 milhões. Um número que deve ascender a 26 milhões em 2021. Deepk Chawla trabalhou três anos e meio para abrir este hotel, que nasceu mais do amor por cães do que por uma perspectiva incerta de lucratividade.

quinta-feira, 5 de outubro de 2017

Cachorrinha dos EUA bate recorde de maior língua, diz Guinness


A cachorrinha Mochi “Mo” Rickert, uma fêmea da raça São Bernardo que mora em Dakota do Sul, nos EUA, ganhou o título de cachorro com a maior língua. A língua de Mochi foi medida em 18,58 centímetros, e o recorde foi verificado ano passado pelo Livro Guinness de Recordes. Carla e Craig Rickert, seus donos, resgataram Mochi de um abrigo quando ela tinha dois anos. Carla disse ao Guinness que Mochi é a prova que um cachorrinho adotado pode dar muitas alegrias aos seus donos.

segunda-feira, 11 de setembro de 2017

Cão anda na corda bamba em Sri Lanka


Um cão policial andou na corda bamba durante uma apresentação em homenagem ao 151º aniversário da polícia de Sri Lanka. A festa ocorreu na capital, Colombo.

segunda-feira, 3 de julho de 2017

Cães ajudam a reflorestar áreas devastadas por incêndios no Chile





Onde um dia houve milenares florestas nativas, hoje só restam troncos e terras queimadas. Mas em uma cruzada inédita, três cadelas da raça Border Collie se encarregam de semear essas zonas devastadas pelos incêndios florestais que atingiram o Chile no início do ano, os piores já registrados no país. Um silêncio mortal invade as florestas da região de El Maule, onde em janeiro passado o fogo silenciou o trinado de aves e os uivos das raposas, que morreram ou fugiram das chamas que destruíram mais de 467 mil hectares em todo o país e deixaram 11 mortos. Mas desde março, os latidos de três cadelas Border Collie devolveram a esperança à zona, graças ao seu trabalho minucioso para ressemeá-la com sementes de árvores nativas, pasto e flores, que uma vez que germinarem atrairão para a floresta as aves e animais selvagens que fugiram do fogo. "A parte principal disto é que a fauna possa viver", diz à AFP Francisca Torres, dona das três cadelas que estão fazendo essa tarefa titânica. 'Das', de cinco anos e mãe de 'Olivia', de um ano, ao lado de 'Summer', também de um ano, saem disparadas da caminhonete de Francisca rumo ao local que devem reflorestar neste dia. Carregam no dorso alforjes repletos de sementes, que caem no solo através de orifícios enquanto correm, pulam e brincam sem se dar conta do trabalho gigantesco que realizam. Quando esvaziam as mochilas, Francisca, de 32 anos e que também é instrutora de cães para pessoas com deficiência, gratifica suas ajudantes com comida, antes de encher de novo as bolsas com sementes. Ela treinou os três exemplares para obedecerem as suas ordens e não atacarem nenhum animal silvestre. Segundo Francisca, diretora da Pewos, uma comunidade virtual sobre animais e meio ambiente com mais de 26 mil membros, os Border Collie se destacam por sua inteligência, energia e rapidez, e portanto são semeadores ideais. A utilização de cães nesta tarefa é mais proveitosa do que se fosse feita por pessoas. Os cães podem percorrer até 30 km em um dia e espalhar até 10 quilos de sementes, enquanto um humano poderia semear no mesmo período apenas três quilômetros,explica Francisca. As cadelas estão realizando esta tarefa há três meses, e já ressemearam 15 florestas diferentes da região de El Maule, onde em alguns lugares o pasto voltou a brotar, e já aparecem algumas pequenas árvores, enredadeiras e fungos, graças à umidade do inverno austral. "Passamos por umas pradarias que já estão completamente verdes, e isso é trabalho delas três, de Summer, Olivia e Das", conta Francisca, que financia essa tarefa principalmente do próprio bolso, junto com algumas doações. Ela espera que no próximo verão austral as sementes já tenham germinado, que alguns animais - como lobos, insetos, beija-flores, lagartixas, macacos e lebres - retornem às florestas, e que os prados devastados pelas chamas se transformem em pasto para as vacas, cavalos e vitelos de agricultores duramente afetados pelos incêndios. Na emergência, os voluntários da Pewos distribuíram folhagens para os animais e conseguiram veterinários para atender cães e gatos que foram queimados nos incêndios. A esperança é que, quando a primavera chegar, as flores atraiam as abelhas, que ficaram em uma situação crítica nesta região após a queima de milhares de polinizadoras vitais para a existência da vida. "A situação é super crítica porque elas não têm comida. As abelhas nesta época geralmente se alimentam de algumas árvores autóctones que nesta época ainda têm flores, e agora não há nada", afirmou Constanza, irmã de Francisca, de 35 anos. As abelhas quase desapareceram da zona, enquanto os avicultores clamam por alimentos para as poucas polinizadoras que sobreviveram às chamas. "Nestas zonas não é possível quantificar os danos, (...) o que queimou foi muitíssimo e ardeu por muito tempo", acrescentou. Pewos espera que o trabalho das cadelas permita que as florestas e pradarias recuperem em cerca de cinco anos o ecossistema existente antes dos incêndios.